Informação & Inovação

Alzheimer: Novo remédio reduz avanço da doença

Alzheimer

Alzheimer: Para o tratamento de casos precoces de Alzheimer, os resultados da terceira e última fase antes da aprovação de um novo remédio são altamente promissores.

Nos testes, a medicação Lecanemab reduziu, com sucesso, o avanço do declínio cognitivo causado por esta doença, considerada irreversível até o momento.

Desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Biogen e a japonesa Eisai, o remédio Lecanemab é um tipo de anticorpo monoclonal — a estratégia já é adotada no combate de outras doenças, como câncer e covid-19.

Os resultados da Fase 3 do estudo clínico foram publicados na revista científica New England Journal of Medicine (Nejm).

Alzheimer
Reprodução

Estudo de Fase 3 de nova medicação contra o Alzheimer

No estudo de Fase 3, os pesquisadores recrutaram cerca de 1,7 mil voluntários, com mais de 50 anos, sendo que 898 participantes receberam o remédio Lecanemab. Os outros 897 foram “medicados” com um placebo — substância sem ação contra a evolução do Alzheimer.

No grupo que recebeu a medicação, foi possível identificar uma desaceleração do declínio cognitivo em 27%.

“O Lecanemab reduziu os marcadores da [proteína] amiloide associados à doença de Alzheimer precoce e resultou em declínio moderadamente menor nas medidas de cognição e função do que o placebo em 18 meses”, afirmam os autores do estudo.

Por outro lado, os cientistas apontam que a medicação “foi associada a eventos adversos”. Por exemplo, entre os efeitos colaterais, foi possível identificar casos de hemorragias cerebrais, inchaço no cérebro e dores de cabeça. Inclusive, alguns participantes precisaram deixar a pesquisa.

Neste cenário, os pesquisadores sugerem que “ensaios mais longos são necessários para determinar a eficácia e segurança do Lecanemab no início da doença de Alzheimer”.

Alzheimer
Reprodução

Como age o remédio?

Segundo o estudo de Fase 3, o grupo de voluntários que recebeu o medicamento Lecanemab teve o progresso da doença retardado em aproximadamente 27% em comparação com os voluntários que receberam o placebo.

Este é um bom indicativo da eficácia da fórmula contra o Alzheimer.

Administrado por infusão intravenosa, o anticorpo monoclonal promove a “limpeza” das placas que se formam no cérebro e são constituídas pelo acúmulo das proteínas beta-amiloides na região — são uma espécie de gosma pegajosa.

No momento, o consenso científico é de que essas formações são uma das responsáveis por provocar o quadro de Alzheimer, já que a afetam a comunicação entre neurônios.

Os primeiros benefícios da medicação foram identificados após os seis primeiros meses do início do tratamento experimental. No entanto, o quadro de melhora se perpetuou até o final do estudo (18 meses).

Apesar das limitações, os resultados já obtidos do remédio contra o Alzheimer são promissores. “Este tratamento pode mudar significativamente o curso da doença para pessoas nos estágios iniciais da doença de Alzheimer”, afirma a Alzheimer’s Association, em comunicado.

Quando aprovado, “o Lecanemab proporcionará aos pacientes mais tempo para participar da vida diária e viver de forma independente. Isso pode significar muitos meses a mais reconhecendo seu cônjuge, filhos e netos”, completa o grupo.

ApVale News: Robson Soares

Veja ainda:

Apvale News lança Jornal Impresso Digital

Emir do Catar se diverte com bebidas no estádio

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp