Informação & Inovação

Atividade física poderia evitar 286 mortes por ano

Atividade física

Atividade física: “Ser fisicamente ativo é uma das coisas mais importantes que as pessoas podem fazer para melhorar a sua saúde mental e física”, alertam a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e Organização Mundial da Saúde (OMS).

Se todos cumprissem a recomendação de fazer pelo menos 150 minutos por semana de atividade física moderada a vigorosa, esta medida “podia prevenir mais de 10 mil mortes prematuras por ano no mundo até 2050.

As estimativas fazem parte do relatório Step Up! Tackling The Burden of Insufficient Physical Activity divulgado nesta sexta-feira, que avalia o impacto não só na mortalidade prematura, mas também na esperança média de vida e anos de vida saudável.

Atividade física
Ilustração

Atividade física no Brasil

Assim como em termos económicos nos gastos com cuidados de saúde. O Brasil é dos países com mais baixos níveis de atividade física.

O alerta sobre a necessidade de aumentar a forma física é uma constante em todo o relatório. Mesmo reconhecendo que os países têm desenvolvido medidas para aumentar os níveis de atividade, OCDE e OMS são taxativas a dizer que “é preciso fazer mais”.

Especialmente depois do impacto que a covid-19 teve, também em termos da saúde mental. Mas igualmente pela importância que tem na redução de doenças não transmissíveis como diabetes, doenças cardiovasculares e cancro.

Atividade física
Divulgação

Mortes prematuras

E um dos impactos medidos é nas mortes prematuras – mortes que ocorrem em pessoas entre os 30 e os 70 anos, 10 mil mortes poderiam ser evitadas por ano com o cumprimento da recomendação de 150 minutos por semana de atividade física moderada a vigorosa.

Isto é semelhante ao número de mortes relacionada com a covid-19 no mesmo grupo etário que ocorreram em 2020 na França e Alemanha, em conjunto, salienta o documento.

ApVale News: Robson Soares com Reuters

Veja ainda:

Fiscalização de trânsito aumenta em Caraguatatuba

Vacina contra a Covid para crianças de 3 e 4 anos

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp