Informação & Inovação

Mudanças climáticas favorecem doenças infecciosas

População deve estar atenta

As mudanças climáticas provocadas pelo homem favorecem claramente a propagação e o surto de doenças infecciosas. É o que aponta um estudo da Universidade do Havaí publicado na segunda-feira (08/08) na revista científica Nature Climate Change.

Ao avaliar mais de 800 artigos científicos, os pesquisadores descobriram que 58% das doenças infecciosas analisadas foram agravadas pelas mudanças climáticas. E uma conexão pôde ser comprovada em mais de 3 mil casos individuais.

Segundo o estudo, das 375 doenças analisadas, 160 podem ser agravadas pelo calor, 121 pelas inundações, 71 pelas tempestades, 81 pela seca e 43 pelo aquecimento dos oceanos.

Mudanças climáticas
Divulgação

Mudanças climáticas causam tempestades, secas e ondas de calor

As ligações entre mudanças climáticas e doenças podem ser variadas: a escassez de água e alimentos causada pelas secas pode, por exemplo, levar animais selvagens a se aproximarem de áreas residenciais, aumentando o risco de indivíduos contraírem uma doença transmitida por animais ou parasitas.

As secas também podem acabar forçando pessoas a consumirem água contaminada, o que pode causar doenças como diarreia ou cólera.

Por sua vez, tempestades, chuvas fortes e inundações podem danificar estradas, linhas de energia e sistemas de esgoto, além de interromper o fornecimento de água potável.

Tais eventos já levaram a surtos de hepatite A e E, rotavírus e febre tifoide.

Gov

O que as mudanças climáticas influencia no sistema imunológico?

Outro ponto é que o sistema imunológico poderá estar enfraquecido, por exemplo, devido à desnutrição causada pela seca ou por ondas de calor, deixando-o mais suscetível a doenças.

O estresse devido a outros extremos climáticos também pode enfraquecer o sistema imunológico tanto de humanos quanto de animais.

Os pesquisadores descobriram, por exemplo, que o calor e a falta de alimentos em morcegos levaram ao aumento da disseminação de vírus e promoveram surtos do vírus Hendra – que pode causar encefalite grave em humanos.

No total, os cientistas identificaram mais de mil maneiras diferentes pelas quais as mudanças climáticas poderiam promover surtos de doenças.

Mudanças climáticas
Martin de Sá – Caraguatatuba

Temperaturas mais altas podem aumentar o risco de infecção

Temperaturas mais altas podem não apenas promover a propagação de patógenos e aumentar o risco de infecção, mas também favorecer a disseminação de portadores, os chamados vetores.

Estes podem ser mosquitos ou carrapatos, por exemplo, que se reproduzem facilmente em áreas mais quentes. Devido ao aumento das temperaturas, eles agora podem viver em regiões onde antes não eram nativos.

O estudo encontrou mais de cem doenças transmitidas por vetores que estão se intensificando com as mudanças climáticas.

Abordagem agressiva é necessária

O vírus zika e a dengue causam febre alta, erupções cutâneas e fortes dores de cabeça, nos ossos e no corpo. Em um estudo de 2020, pesquisadores da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, alertaram que, até 2050, mais de 1,3 bilhão de pessoas viverão em áreas onde o zika pode se espalhar.

Mais de 700 milhões viverão com temperaturas que tornam a transmissão possível durante o ano inteiro.

Mudanças climáticas
Gov

Doenças infecciosas

Vetores transmitem 17% de todas as doenças infecciosas. Quase 700 milhões de pessoas contraem doenças transmitidas por mosquitos todos os anos, e mais de 1 milhão morrem.

De acordo com os autores do artigo na Nature Climate Change, é difícil ou mesmo impossível prevenir – ou se adaptar – ao aumento da propagação de doenças devido às mudanças climáticas, já que os patógenos e as vias de transmissão são numerosos.

Para os especialistas, portanto, o que se faz necessário é uma “abordagem agressiva” a fim de reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Por Apvale.News – Robson Soares com DW e Nature Climate Change

Veja ainda:

Vale-alimentação e Vale-refeição com novas regras

Crédito consignado ameaça benefício do Auxílio Brasil

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp