Informação & Inovação

Redução de gastos: Brasileiro tem que reduzir consumo

Pessoas endividadas

Seis em cada 10 pessoas tiveram que reduzir os gastos devido a alta generalizada dos preços. Com isto a população teve que se concentrar na redução de gastos.

Os cortes atingiram principalmente despesas com refeições fora de casa, combustível, TV por assinatura e celular.

Os dados fazem parte da pesquisa Comportamento e Economia no pós-pandemia, encomendada pela Confederação Nacional da Indústria ao Instituto FSB Pesquisa.

Redução de gastos: 95% dos brasileiros sentiram

O Instituto FSB realizou a pesquisa Brasileiros e Pós pandemia, a pedido da Confederação Nacional da Industria (CNI), onde 2.016 pessoas foram ouvidas em todos os estados e no Distrito Federal.

A economia é o tema que mais tira o sono da população atualmente. Para 45% da população a prioridade número 1 do governo deve ser o combate à pobreza, 31% defendem o aumento do salário-mínimo e 28% anseiam pela queda da inflação.

Redução de gastos
Cofesi

A preocupação com o custo de vida e a perda do poder de compra forçam a redução de gastos, e tomou o lugar de prioridades mais tradicionais como saúde, educação e segurança.

O combate à corrupção foi assinalado por 23% dos respondentes, seguido por geração de empregos (21%).

Apenas um quinto dos brasileiros consideram a educação prioridade, 18% elegeram o combate à pandemia e 12%, os serviços de saúde. O tema segurança e combate à criminalidade recebeu a menção de apenas 5% da população.

De acordo com o gerente-executivo de Economia da CNI, Mário Sérgio Telles, em pesquisas semelhantes de anos anteriores, a melhoria dos serviços de saúde ocupou o primeiro lugar entre 2014 e 2018. Em 2019, a saúde apareceu em segundo lugar.

No ano de 2020, a educação ocupou o topo do ranking, mas a saúde estava entre os quatro primeiros. Em 2021, emprego e saúde foram os mais assinalados.

“Nesse ano, prioridades ligadas à economia ocupam seis das primeiras dez citações. Ocorre que o brasileiro comum percebe que a economia está andando de lado. Ele sente os efeitos da inflação no supermercado e nas contas de energia e transporte.

O número de pessoas trabalhando está aumentando, mas em ritmo insuficiente para atender a quantidade de pessoas procurando trabalho, o que dá a sensação de que o desemprego não recua. Além disso, a previsão de crescimento do PIB para este ano está aquém das necessidades do país” diz Mário Sérgio Telles.

Redução de gastos
FESB

Desemprego e inflação, principais problemas do Brasil

A economia também está no topo dos problemas do país, de acordo com a população. Para 41% dos brasileiros, o desemprego é maior problema, 40% consideram o custo de vida e a inflação, e 30% assinalaram corrupção.

A educação aparece em 5º lugar, a saúde em 8º, a segurança em 17º. Ao todo, foram registrados 23 problemas.

Mas os problemas mudam de intensidade conforme escolaridade, renda e região do país. Para a população analfabeta, o custo de vida (39%) e a pobreza (26%) são um problema maior do que o desemprego (25%).

Para 37% da população com renda acima de cinco salários-mínimos, a inflação também é um problema maior do que o desemprego.

A falta de emprego é o maior problema para a população com renda abaixo de cinco salários-mínimos.

No Sul, Norte e Centro-Oeste, o custo de vida também aparece em primeiro lugar. O desemprego é o principal problema para a população que mora no Sudeste e no Nordeste.

Redução de gastos
Forbes

Sobre a CNI

A CNI é a principal representante da indústria brasileira na defesa e na promoção de políticas públicas que favoreçam o empreendedorismo e a produção industrial, num setor que reúne mais de 476 mil indústrias no país.

Por Apvale.News – Robson Soares com Instituto FSB

Veja ainda:

Polícia Rodoviária Federal registra redução de acidentes no Feriadão

ApVale News fala com Governador sobre políticas de proteção á mulher

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp