Informação & Inovação

YouTube anuncia combate a Fake News nas eleições

YouTube

O YouTube anunciou uma atualização na sua política para combater a desinformação sobre as eleições brasileiras em 2022.

Além disso, a plataforma afirmou que vai remover vídeos com conteúdos falsos sobre o pleito eleitoral de 2018.

No comunicado assinado pela Gerente de Políticas Públicas do YouTube Brasil, Alana Rizzo, a plataforma vai derrubar materiais que citam possíveis fraudes nas eleições sem a apresentação de nenhuma prova concreta sobre o ocorrido.

O calendário eleitoral brasileiro deve ocorrer entre junho e outubro deste ano. Segundo Alana Rizzo o objetivo é reduzir a disseminação de Fake News, boatos e desinformação durante o período.

You Tube
J.E

A plataforma também proíbe vídeos que tenham o objetivo de enganar eleitores sobre a hora, o local, os meios ou requisitos necessários para votar.

O YouTube deve banir também informações falsas que possam fazer as pessoas desistirem de ir às urnas, como declaração antecipada de ganhadores ou supostas fraudes.

O site de vídeos também citou que vai exibir painéis com informações úteis divulgadas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na interface, como materiais que ajudam a tirar, transferir ou regularizar o título de eleitor e fatos históricos sobre as urnas eletrônicas.

Por fim, o YouTube prometeu recompensar campanhas, candidatos e criadores de conteúdo sobre política com ferramentas que podem ajudar a publicar vídeos sem desinformação, alavancando as produções dessas pessoas ou veículos de comunicação.

YouTube
Gov

Quais conteúdos o YouTube banirá nas eleições 2022?

A política é embasada por experiências anteriores nas eleições presidenciais dos EUA em 2020 e no ano passado na Alemanha. Agora, ela será aplicada às eleições presidenciais brasileiras deste ano.

Esses são alguns exemplos de vídeos que o YouTube removerá de imediato:

  • Qualificação dos candidatos: informações falsas sobre a inelegibilidade de candidatos ou políticos em exercício. Dizer que um político é ficha suja e não pode ser eleito é um exemplo disso;
  • Incitar o público a interferir em processos democráticos: para evitar ocorrências como nas eleições dos Estados Unidos, será removido todo conteúdo que incentive pessoas a impedir ou atrapalhar quem está tentando votar;
  • Integridade das eleições: informações falsas sobre fraude generalizada, erros ou problemas técnicos que supostamente tenham alterado o resultado de eleições anteriores, após os resultados já terem sido oficialmente confirmados.
YouTube
TSE – Tribunal Superior Eleitoral
Urna eletrônica

A Justiça brasileira, por meio do TSE, tem demonstrado bastante preocupação com o processo eleitoral deste ano no Brasil, para tentar evitar a disseminação de informações falsas, o tribunal fechou um acordo com as principais plataformas digitais, incluindo o Google, que é dono do YouTube.

Na última semana, o ministro Alexandre de Morais, que vai ser o presidente do TSE durante as eleições, travou uma guerra contra o Telegram e chegou até a decretar a suspensão do mensageiro. Após a plataforma atender algumas exigências da Justiça, a decisão foi revogada pelo próprio magistrado.

Por Apvale.News – Robson Soares

Veja ainda:

Tarifas de importação “zerada” para etanol e 7 alimentos

Segurança: São José investe em tecnologia com a polícia

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on pocket
Pocket
Share on whatsapp
WhatsApp